segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Cabide Comestível

E no meio daqueles da festa, ela estava simples: sem banho e sorriu triste seca-sarcástica, gritava como quem está feliz, e de certo estava, mas de repente no momento, aquele do prazer coletivo, com um cigarro aceso em uma mão, e com as orelhas acesas, sacou sua canetralhadora de impressões e deixou algo registrado para seus filhinhos... que vão beber, fumar e morrer como fumam e morrem as pessoas que bebem e fumam e assim morrem. Algumas que acham bárbaro o espetáculo da delicadeza, ressucitam de repente, no meio daqueles que continuam a curtir a festa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário