sexta-feira, 27 de maio de 2011

Nota sobre o sucesso

O preço do sujeito acaba de subir: o seu olhar clariciano e a escuridão de sua própria simbiose, em pazes com o insolúvel conforto de si que não dorme mais depois das sete e meia da manhã, e pacientemente acaricia conquistando a confiança dos felinos. O sujeito se entretém com problemas quando escolhe executar entretenimento: a linda namorada saboreada pouco a pouco, e um bocejo às nove e dezesseis anuncia que algo já está adaptado. Os olhos pesam, os pés estão frios, desligando os celulares...


terça-feira, 17 de maio de 2011

IRREFUTÁVEL 1

Uma mesma pessoa consegue ser brilhante em umas coisas e completamente estúpida em outras. Uma mesma pessoa consegue se doar inteiramente de corpo, alma e coração, se envolver no outro e se abandonar em erro, nostalgia e depressão pela falta que o outro faz. Uma mesma pessoa de idéias fervilhantes na cabeça e as mãos frias.

IRREFUTÁVEL 2

O que você nunca  vai entender, mesmo eu sendo a burra, a ridícula, a otária (!) é que nesse tempo todo o que eu senti foi muito mais que uma atormentada sede: suspirei seus suspiros nos livros e nos utensílios triviais domésticos, (e você acerta em pensar) salvo os dias em que me entreti em outra pele maravilinda sim, mas por mero exagero do meu palavreado, e não do sentimento que dói no meu coração e que me faz pensar em você todos os dias sem engomar a verdade. Para não tocá-la, melhor nem vê-la, mas eu vi. E não sei medir quanto tempo falta para acontecer, ou para deixar de acontecer. Todas as paredes da casa sabem do meu romance fudido-falido-desiludido por você, todos os meus amigos sabem, minha mãe sabe, minhas palavras sabem mais do que meu raciocínio. As tuas paredes devem saber das noites sem mim que você não dormiu e chorou, e das que sorriu quase-que-plenamente satisfeita com outro corpo que não era o meu, por cima de você.

A minha cama não fala, mas se ela falasse, o seu nome seria o primeiro.

IRREFUTÁVEL 3

Acontece que tem uma hora que a dor vai embora, a garganta não chega a sussurrar  qualquer lamento. Garganta nem arranha. Garganta cancerosa, deus me livre!

domingo, 15 de maio de 2011

O que dizem os velhinhos

Fomos tão imaturos, e sempre seremos de certo modo... Não seria possível crescer de um tudo, seria?

Nota de algum tempo

Não adianta quebrar a cabeça tentando entender o presente se a base do passado foi construída de vastas mentiras. Nenhuma relação totalmente verdadeira. Os sentimentos manipulados cederam trégua a um "imenso desaparecer", um "mudamos os planos" enorme. E a verdade não precisa ser dita, precisa ser esquecida, a cuja bendita.

Achar alguém bonito pode ser diferente. Digo, tem coisas bonitas que só algumas pessoas conseguem ver.

Minha vida computa-dor

Tudo meu relacionado, que está se relacionando em redes de relacionamento, está relacionado com minha relação em computar dor.

Mecanizar os pensamentos
Remoer os erros inexplicavelmente
Descontente com o tempo que o tempo leva pra passar
Descontando tudo no tempo.

ME CONTE DAS PERIQUITAS

As coxas coladas apertam a periquita, de abdómen contraído, pés endurecidos, doloridos, dedos com unhas grandes que arranham a loucura de ter visto algo muito especial - iluminação literal - no conforto de sentir prazer pela periquita. Meter a periquita contra ela mesma. Socar num vai e vem uma periquita. Comer e beber periquitas com você. Gargalhar litros sobre elas!!
Certas periquitas nunca se darão conta disso.




ICMT .) Da séria "Periquitas do Brasil no Brasil VS Periquitas do Brasil em Portugal"

quarta-feira, 4 de maio de 2011

"Você deixou tudo a tua cara, só pra deixar tudo com cara de saudade"

I don't know!

Chorei por gostar demais e inventei um milhão de desculpas para me afastar sabendo que há pessoas que não se pode mesmo dizer que gosta pois, senão afasta mais.

Ainda, culpa, alma, escrita, além, mas, toda hora!, intenso, LEMBRANÇA, tortura, sombra, lamento, amor, saudade!

“Medíocre, você tem que se amar!”

Quando você me tocar, vou me quebrar em cacos. Então você junte todos os meus caquinhos, me abrace e eu vou deixar de pensar que o amor possível é impossível.

Eu poderia gritar esbravejando o meu amor, você não escutaria.

Me tornei um efeito Doppler do teu passado, e presente. Ausente da tua retina pirata que raciocina o que eu estou aparentando ser. E teu aparentar é meu parente muito chegado. E assim, sempre te reconheço porque eu te conheço.

E sei que não adianta, eu poderia esbravejar meu grito, você só ouviria em minha voz algo muito parecido comigo aflito.

Eu poderia te ligar pra contar que eu desejo com saudade o teu desejo, que o teu beijo é o melhor da vida e arrepia todos os meus cabelos. E todo o resto só você conhece, de tão gostoso do mais gostoso que se pode ser.