quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Vi, vás

 Vívido! Vivencie! 
A vivência avança ( à medida que)
A volúpia te alcança, e
Nada vai abalar a sua verve
Porque quando nada se espera
Qualquer verve serve
Conserve o seu quê sexual
Perfeito será se for de dois e o animal
Há de surgir logo depois
E se amostrar é uma delícia antioxidante
O desejo de prometer ser como água, transparente
Amante
Tome hortelã e clorofila
Fure a fila para me amar
Me chame mesmo quando, aparentemente, eu não escutar!

Vivencie, vívida espécie,
Dos prazeres que ainda não conhece e não se esquece
Não é nada além da vida, desta vida,
Nada se parece com lembrança alguma
Come muito, bebe, cheira e fuma
Um dia um chute irá vibrar no topo da tua lista,
Você não vai entender e vai pedir só uma pista, e assista
Sente-se para visualizar o seu triunfo,
De dentro da sua mente
Este é teu trunfo

Grave então isto: você é especial
E eu o sinto quando aperto a sua mão,
Então não minto, grave isto:
Especial é acumular paixão
Isto soa ridículo,
Mas tudo bem não saber escolher
Hoje é um bom dia pra você?
Dê-me bom dia então, aperte a minha mão e grave isto:
Paixão é conseqüência de um encantamento lindo
Não se tem opção
Não é um momento que irá dizer
Depois do afeto há de existir por um acaso meu..
Eu e você, você e eu
Mas não me iludo,
Não me ataca o desagrado de não lhe exercer meu sentimento
Eu e você, você e eu
Foi tudo culpa minha, o tempo todo, o que ocorreu
Há desejo que não se explica,
E esse desejo involuntário se complica
À medida em que fica aqui esta vontade
Esta vontade aqui fica
E você disse que a vontade ficaria...
Mas é no ápice do seu poder
Que eu percebo que você me ludibria.

(29.10.11 Isabel)

Um comentário: